quarta-feira, 30 de abril de 2008

Loucura


Minha loucura toma conta de mim.

quando vejo já fiz o que meu Eu queria... Talvez eu ande de mãos dadas com a loucura para um caminho que eu desconheço, mas talvez um caminho que eu queira ir.

Minha mente tenta achar algum pensaamento coerente com a realidade para tentar firmar meus pés no chão, mas a loucura é mais forte. "Força!" é o que eu digo para eu mesma, mas essa eu não poderá ouvir. Ela está dominada!

Seguir meus impulsos é o que passa sobre minha mente não lúcida que busca informações em meu coração para encontrar uma saída, mas eu não quero ouví-la.

Eu faço sem querer, mas faço sempre querendo.

São duas partes de mim que não consigo destingui-las.

São duas partes que eu temo, mas que me tornam esse Eu.

São duas partes, uma que faz o que eu quero e a outra a que eu tenho que fazer.

São duas partes de mim que me deixam LOUCA!

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Angústia, Sufoco, Ânsia , Tristeza, Consumismo

Olhei pelo vidro do carro e avistei um mendigo.
E até chegar ao shopping, fiquei pensando.
Era como se algo me sufocasse como se eu quisesse fazer algo no qual eu não poderia fazer nada.
Olhar.Somente olhar.
Olhar para um mundo que não tem volta, olhar para a desgraça, olhar para o meu fim.
Uma angústia desce até meus pulmões: Sufoco.
Sufocada por minhas palavras que não poderiam ser ouvidas, onde somente eu poderia atendê-las. Sufocada, como um ganido baixo de socorro tentando achar sentido em seus desejos.
Uma dor chega a meu estômago: A ânsia.
Ânsia ao ver pessoas gastando suas vidas com coisas inúteis que poderiam fazer a diferença entre as camadas sociais.
A dor sobe ao meu coração: Tristeza.
Tristeza em não poder fazer nada, somente pensar no meu Eu profundo, no meu eu Desconhecido.
Somente gastamos sem pensar no amanhã até que a realidade nos caia á cabeça, a POBREZA.


Pense melhor, diminua seu consumismo se quiser viver num planeta não soterrado pelo lixo e pela desgraça.

sábado, 26 de abril de 2008

Pipoca!

Hoje , eu e minha amiga Isaura decidimos sair e ver nossos "irmãozinhos" na saida de crisma deles.Até ai , td bem, mas chegamos meia hora mais cedo e ficamos lá na praçinha da Igreja jogando conversa fora enquanto comíamos pipoca.
Hum... Aquela pipoca! Me surpreende o fato de que mesmo muitos anos depois ela continuava irresistível! Me lembrei de quando eu era bem pequenininha, mais ou menos uns 5 aninhos e meu pai comprava ela pra mim merecidamente depois de uma hora sentada na igreja ouvindo o que o Padre dizia, mas sempre com o pensamento voltado para a aquela pipoca " Será que hoje eu peço a doce ou a salgada?". Sem falar naquele cheirinho de coisa boa que dava para sentir de longe!
Aquela pipoca que as crianças passam pedem e se perguntam " O que é essa coisa que deixa a pipoca vermelha?". Somente depois fui descobrir que se tratava de um corante ...
Aquela pipoca que me remete á lembrança de quando eu corria atrás dos pombos e ria quando eles voavam desesperados como se dissessem "Ei! Chegamos aqui primeiro!"
Depois de tantas lembranças, eu disse para Isaura: " Quero voltar a ter cinco anos de idade..."

quinta-feira, 24 de abril de 2008

A Vista de um pé de limão

Hj abri a janela do quarto de minha irmã e reparei numa belíssima vista! Reparei, tbm, q os passarinhos voavam felizes em torno de nosso pezinho de limão.Eles eram livres!
Depois de alguns minutos, cheguei a uma conclusão:
Pelo menos uma vez na vida eu queria voar.
Sim, voar!
Não importa o lugar, só qro voar!
Voar como um pássaro, assim, sentiria o vento tocar suavemente meus cabelos, envolver meu corpo e terminar em meus pés, então, outra corrente de vento se inicia.
Voar, com os braços abertos e as mãos projetadas para frente, assim como faz o super-homem.
Voar, e avistar pessoas como se fossem formiguinhas andando pela cidade.
Voar, sentir a liberdade de ir aonde eu quiser sem ninguém dar palpite.
Voar, e sentir os aromas da terra molhada e das flores recém-abertas.
Voar, ficar com a cabeça sem pensamentos por durante um minuto, e simplesmente VOAR!

quarta-feira, 23 de abril de 2008

A mais bela palavra do mundo

Hj cumpri meu ritual sagrado de dormir de tarde...sem querer, acabei dormindo na cama de meus pais enquanto assistia Dr. House.
Acordei e já era de noite mas como preguiçosa de carteirinha, decidi ficar deitada de baixo do cobertor com a luz apagada e comecei a pensar sobre PALAVRAS.
Palavras...sentimentos humanos que saem pela boca, pensei tentando achar uma definição lógica .Mas qual será a palavra mais bela?
Seria a própria BELEZA? Mas... Beleza não é tudo, falta algo!- disse a mim mesma...
Seria, então PAZ? A Paz é bela mas não a palavra mais bela...
AMIGOS? Ah existem muitos amigos bons, mas a desiluzão de um amigo dói e vc descobre q ele não era tão amigo quanto dizia ser...
Que tal LAR?Lar é belo, é acolhedor é bom... mas nem todo mundo tem um lar bom... algumas pessoas sofrem em suas próprias casa ( Lembrei-me da Isabella Nardoni...)
DINHEIRO? É um luxo! Tudo do bom e do melhor, sempre no capricho! Mas me lembrei de que muitas pessoas matam e morrem por ele...
Puxa... como é difícil achar uma palavra assim... nesses conformes...
Mas será que ela existe?
Será que é melhor ainda um conjunto de palavras belas?
Quais seriam elas?
Cheiguei a uma conclusão:
As três mais belas palavras , com o melhor do sentimento do homem:
“EU TE AMO”...

terça-feira, 15 de abril de 2008

O Pavão é um arco-íris com plumas

"O pavão é uma arco-iris com plumas"
Essa frase me intriga!
assim que a li, começei a pensar o qnto o pavão é majestoso e lembrado pelo simples fato de ser belo.A fêmea, (pavoa) nunca é lembrada somente por ser cinza.
Sejamos francos: a mais bonito é sempre o mais valorizado, mas será q a beleza é tudo?E quem será que se lembra da pavoa?
Será feio ser normal?Ou será errado ser cinza?
Claro, nem todo mundo ama o pavão.
Por ser tão exuberant a muitos causa insegurança ou estranhesa pelo fato de ser diferente.
A questão é: ser diferente pode tanto agradar ou provocar comentários alheis de quem o julga.Por isso, esteja semprepreparado e não se chateie com o que dizem para vc...se amando, as pessoas ao seu redor te amarão também e o melhor: vc aprenderá o q é amar de verdade! ;D

domingo, 6 de abril de 2008

Chuck Norris vs Dercy Gonçalves

Hj eu fui no Anime ABC, um evento de anime patrocinado pelo Animax...
Foi mto bom, a chuva atrapalhou um pouquinho, mas tudo bem...
Lá é bem comum se ver um pessoal andando com plaquinhas escritas alguma besteira ou frase engraçada mas uma em especial, chamou minha atenção, ela dizia: “ Não fume, Chuck Norris odeia fumaça!”. Fiquei pensando sobre o Chuck... Com certeza vc já ouviu falar de alguma frase sobre ele, como “Vc não encontra Chuck Norris, ele encontra vc “
O q mais me admira nele é q ele não morre e é lembrado por isso... Mas somente pq é americano...
Pô brasileiros! Valorizem mais o q está aqui.... ou pelo menos finja!
Não entendeu? Eu explico: a Derci Gonçalves não morre fala palavrão pra cara*** e é muito fodona! Mas qm se lembra disso?O.o
Ta certo, concordo q as bandas de lá são beeeem melhores, mas a cada 10 brasileiros, 6 querem morar nos Estades, aliás, eu qro morar lá mas como estou no Brasil, me contento com a merda q é aqui mesmo...

sábado, 5 de abril de 2008

A Chuva

Hj choveu mto... Mais enquanto chovia, decidi olhar pela janela somente pq eu naum tinha mais o q fazer...
Fiquei um tempão olhando a chuva cair sobre os vasos de plantas de minha casa, que eram descobertos, sendo assim, atingidos pela água. Nesse impasse, a chuva caia, batia neles e espirra para cima, como se quisessem voltar para o céu.
Fiquei tanto tempo observando-as q minha mente parecia estar em câmera lenta, e naquele momento, a água parecia ter vida própria e o mais estranho é q eu parecia entendê-la.
Era como se a água caísse do céu por obrigação, como se ela sentisse dor quanto sofria o impacto da queda em vasos rijos, como se ela tentasse voltar para seu lugar, o céu.
Mas mesmo assim, deveria ter paciência e esperar a hora certa para evaporação e voltar para seu lugar.
Me comovi pq era mto parecido com nossas vidas: Ao nascer, nós somos obrigados a sairmos dos úteros de nossas mães, e sentimos muita dor por “cairmos” nesse mundo rígido e para muitos ruim. O choro, o berro talvez expressem naum somente a dor, mas a vontade de voltar para aquele seguro útero de nossas mães. Ao crescermos, tomamos sentido da vida e nos conformaremos até o dia de nossa morte, onde voltamos para aquele lugar a qual chamamos de LAR.